Linha de separação


14 de julho de 2022

Sanções

 http://andreboyer.over-blog.com/2022/07/les-premieres-sanctions-masochistes-de-l-histoire.html?utm_source=_ob_email&utm_medium=_ob_notification&utm_campaign=_ob_pushmail

AS PRIMEIRAS SANÇÕES MASOQUISTAS DA HISTÓRIA

Irão, Síria, Iraque, Coreia do Norte, Venezuela, Cuba e, mais recentemente, Rússia, as sanções estão caindo. Solução milagrosa que obriga os países sancionados a se curvarem ao "direito internacional " ou solução fácil que esconde um fracasso total?

 

O sistema de sanções não é novo e não foram os Estados Unidos que o inventaram, mesmo que o usem à vontade. Porque Maquiavel já escrevia no século XV :  "É melhor triunfar sobre o inimigo pela fome do que pelo ferro" e, durante a Primeira Guerra Mundial, os países da Tríplice Entente estabeleceram um severo embargo contra a Tríplice Aliança, enfraquecendo o Império Alemão e causando centenas de milhares de mortes, segundo historiadores.

Hoje, uma sanção económica internacional consiste em pressionar um país tentando privá-lo de seus recursos económicos com o objetivo (oficial) de mudar seu comportamento. As sanções tornam-se assim uma arma substituta da força militar.

No fundo, trata-se de usar as sanções para fazer guerra a um país sem derramamento de sangue, pelo menos visível, porque a opinião pública é naturalmente ofendida pelos horrores da guerra. É por isso que Madeleine Albright, Secretária de Estado de Bill Clinton, foi particularmente imprudente quando, em defesa dos crimes de guerra contra a humanidade de que foi acusada por  apoiar sanções internacionais contra o Iraque  , que teriam causado a morte de 500.000 crianças iraquianas , ela declarou que foi uma "decisão difícil" mas que no final "valeu a pena"!

As sanções têm, portanto, a vantagem de serem aceitáveis ​​pela opinião pública, o que fez o  ministro das Finanças, Bruno Lemaire, dizer quando começou o ataque da Rússia à Ucrânia: "Vamos fazer uma guerra do sistema económico e financeiro à Rússia", com o objectivo oficial de conquistá-la, mas com o efeito direto de punir os povos da Europa, o que ele aparentemente não pretendia.

Porque podemos realmente vencer uma guerra aplicando sanções? Sempre citamos o caso da África do Sul, que renunciou ao apartheid sob o peso das sanções. Mas dois fatos específicos explicam esse sucesso: em primeiro lugar, toda, ou muito pouco, a comunidade internacional respeitou os embargos rígidos das décadas de 1970 e 1980 contra a África do Sul para obter a abolição das leis segregacionistas. Então a classe dominante da África do Sul fazia parte da classe dominante anglo-saxônica, então não poderia ser separada desta última por muito tempo, por causa de seus interesses cruzados e sua cultura.  

Mas a África do Sul continua sendo o único caso moderno de sucesso das sanções. O fracasso mais célebre é certamente Cuba. Em 25 de janeiro de 1962, todas as relações diplomáticas, comerciais e aéreas foram suprimidas entre Cuba, os países da América Latina e a maioria dos aliados ocidentais dos Estados Unidos. Este embargo pretendia dobrar o regime de Fidel Castro, que tinha o duplo defeito de ser comunista e desrespeitar os direitos humanos. No entanto, o apoio infalível da URSS a esse aliado essencial, a adaptação da economia cubana ao embargo e a falta de fôlego das sanções explicam por que, sessenta anos depois , o regime político ainda não mudou em Cuba. 

Mas as sanções, de que a França também gosta*, não são apenas ineficazes, mas perfeitamente imorais, porque as primeiras vítimas são as populações civis. O caso do Iraque é um dos mais escandalosos, pois o embargo de medicamentos gerou centenas de milhares de mortes, enquanto esse embargo de medicamentos atualmente se aplica ao Irã. A população civil da Síria, por sua vez, sofreu dupla punição, com uma década de guerra civil concluída com sanções econômicas para punir o regime sírio: é assim que hoje 14 milhões de sírios estão sob ajuda humanitária e que defensores de direitos humanos se tornam carrascos de humanidade. Em outras palavras, enquanto não houver voto controlado pelas Nações Unidas na Síria,

Resta, no entanto, o aspecto simbólico das sanções que têm pelo menos a vantagem de mostrar à opinião pública mundial que não se pode violar impunemente. Mas as mesmas regras ainda devem se aplicar a todos. Agora eles se aplicam hoje à Rússia, mas não se aplicam aos Estados Unidos e seus aliados quando atacaram a Sérvia e separaram Kosovo de seu território nacional em 1999. Como resultado, o símbolo da sanção, em vez de ser visto como uma punição internacional justa , oferece a imagem de uma ferramenta vulgar de poder.

Em termos de sanções, nunca as vimos assumir uma forma tão barroca como contra a Rússia. Com efeito, as cimeiras em termos de contraprodutividade das sanções foram alcançadas porque afectam mais uma parte dos países que aplicam as sanções, a União Europeia e a Grã-Bretanha, e países terceiros, na Ásia, África e América. Sul do que o país teoricamente visado, a Rússia. Os russos certamente sofrem muito com a venda com prejuízo do McDonald's para um concorrente russo porque não tenho certeza de que a qualidade dos hambúrgueres não sofra com isso (embora), enquanto os europeus sofrem e sofrerão muito com a escassez de gás e grãos.

Se somarmos a isso que grande parte do mundo, a começar pela China e Índia, não aplica sanções ocidentais, vemos surgir uma grande novidade no cenário das sanções internacionais, ou seja, sanções que os países aplicam a si mesmos, na vanguarda da que é a Alemanha.

 

Isso não se enquadra no escopo da análise deste post, mas resta saber quanto tempo durarão as primeiras sanções masoquistas da história...

 

* A França não fica atrás em termos de sanções que aplica a 24 países, militares para Líbia, Coreia do Norte, Zimbábue, Irão, setoriais para Venezuela, Somália, Síria, Iraque, Irã, Rússia e Coreia do Norte. Acrescente-se a isso as sanções postas em prática pela UE.  

1 comentário:

mensagensnanett disse...

NÃO É A RUSSIA QUE PRETENDE SAQUEAR AS RIQUEZAS DOS PAÍSES DA NATO... OS PAÍSES DA NATO É QUE PRETENDEM SAQUEAR AS RIQUEZAS DA RUSSIA.
.
Mais um foco de tensão:
- a ameaça de, via Ucrânia, estrangular a economia russa, leia-se: cortar o acesso da Russia ao oceano Atlântico.
.
Ocidente XX-XXI:
- inúmeros focos de tensão (revoluções/guerras) fabricados pelo Ocidente XX-XXI... culminaram exactamente, inevitavelmente, fatalmente, no mesmo resultado: a exploração de riquezas passou a ficar na posse de multinacionais Ocidentais.
.
.
PROVOCAÇÕES DA NATO A CAIR EM SACO ROTO:
- os 300 mil militares na fronteira da Russia, a adesão da Suécia e Filândia, o bloqueio de transportes de mercadorias para Kaliningrado... todavia, no entanto... sim, pois, mas... a Russia não vai dispersar a sua atenção:
-> não vai permitir que seja cortado o acesso da Russia ao Oceano Atlântico
-> não vai vender as suas riquezas a multinacionais.
.
.
.
O plano/armadilha:
- gurus da NATO;
- mercenários de Zelensky (um governo boy-toy dos neoconservadores americanos).
Objectivos:
-> estrangular economicamente a Russia;
-> posicionar os mercenários de Zelensky como gestores da venda da Ucrânia, isto é, como gestores da venda das riquezas da Ucrânia a multinacionais.
.
.
O europeu-do-sistema esteve estratégicamente, mafiosamente, em silêncio... sim:
- o europeu-do-sistema não está interessado em discutir a criação de condições... para que os povos não interessados em vender as suas riquezas a multinacionais... possam viver em segurança no planeta.
.
.
.
Depois da Russia ter decidido intervir... poucas semanas depois... gurus da NATO rejubilavam:
- «(as armas de alta tecnologia fornecidas por países da NATO) já foi destruído muito material militar russo»;
- «a Russia tem mais urgência num acordo de paz do que a Ucrânia».
.
--->>> A Russia não podia ceder por motivos óbvios:
- ESTAVA EM CAUSA O ESTRANGULAMENTO ECONÓMICO DA RUSSIA.
.
.
Adiante.
Toda a gente sabe cono é que vai ser:
-> tal como aconteceu no Iraque, Líbia, etc, as multinacionais vão fazer compras no caos... e... os mercenários de Zelensky vão estar na gestão das vendas das riquezas da Ucrânia a multinacionais.
.
.
Sim:
- o cidadão da NATO sonha com uma Russia ao nível do Iraque, Líbia, etc, isto é, sonha com uma Russia no caos... e... multinacionais Ocidentais a fazerem compras no caos.
Sim sim:
- a UE (e outros) está a investir no saque da Russia.
[mais: o Ocidente ambiciona fazer aos russos aquilo que foi feito a povos autóctones da América do Norte, do Sul, etc]