Linha de separação


17 de abril de 2018

Entre auditores & reguladores venha o diabo e escolha

O Banco de Portugal concluiu a acusação contra a KPMG, auditora do antigo Banco Espírito Santo, e três outros responsáveis, incluindo o presidente, Sikander Sattar, segundo noticia o jornal Público.

De acordo com a publicação, em causa está o incumprimento, em 2011 e 2012, das normas de auditoria. Nos dois anos seguintes, a KPMG omitiu, segundo a acusação do Banco de Portugal, as perdas identificadas no BES Angola. 


O BES era auditado pela KPMG Portugal e o BESA, onde o BES era o accionista maioritário, tinha como revisora das contas a KPMG Angola. Entidades distintas mas que contavam com o mesmo presidente, Sikander Sattar (na foto). 

Estes dados constam da acusação, já concluída, mas ainda não há condenação, segundo o Público. "O Banco de Portugal não comenta eventuais processos de contra-ordenação"

1 comentário:

Francisco Manuel Gentil Apolónio disse...

Então não fazem parte do sistema e não existem para o servir?